Inscrições para filmes 2019 encerradas, boa sorte a todos os inscritos!.

Histórico



 2009
O Festival de Cinema do Congo foi criado a partir de uma Mostra de Cinema, realizada em 2009, pela ACCON – Associação Cultural do Congo. A Mostra tinha como objetivo exibir as produções realizadas no Estado da Paraíba à toda população da Cidade do Congo, que antes não tinham acesso ao produto audiovisual.

2010
O Festival de Cinema do Congo chegou a sua segunda edição, principalmente, dando continuidade a um trabalho que vem gerando frutos na Região interiorana. O acesso gratuito ao produto audiovisual através da exibição de curtas; a democratização do acesso à cultura; a descentralização da cultura; a formação de público para o cinema; além, da abertura de espaços para filmes de realizadores das micros regiões do Estado da Paraíba feitos com baixo custo.
O interior paraibano mostrou sua criatividade artística e produtiva, através de suas produções cinematográficas, vindas de Aparecida, Boa Vista, Campina Grande, Cuité, Lagoa Seca, Monteiro, Patos, São Bento, São José de Piranhas, além das produções locais. Havendo ainda a participação de jovens das cidades de Arara, Ouro Velho, Serra Branca, Sumé e Zabelê. O Festival teve como tema principal, “Cinema para Região!”, reunindo em seus três dias 1.100 pessoas que participaram de todo o evento.

2011
O Festival teve com o tema, “Revelando as Paraíbas”. Através do CINECONGO, o interior entrou em contato com a extensa produção do audiovisual, caracterizando acessibilidade de diferentes grupos, como oficinas, palestras, seminários, fórum, mostras em escolas, reunindo um grande número de filmes e de pessoas de todas as Regiões e Estados que discutiram o cinema. O Festival é hoje um espaço para a divulgação, discussão, crítica e incentivo à criação de novos festivais pelo Estado.

2012
O CineCongo trouxe o tema “Abrindo janelas”, possibilitando, ainda mais, o acesso gratuito do produto audiovisual Nacional à toda a população paraibana, em particular, os Congolenses. O Festival Audiovisual contou com Mostra de Filmes Local, Estadual e Nacional, oficinas, seminários, apresentações culturais, debates, homenagens e o quarto Passeio Ecológico pela Serra da Engabelada, garantiram mais uma edição do Festival, sem esquecer a participação do público durante os dias do CineCongo.

2013
Este ano o CineCongo, presta uma ilustre homenagem aos atores e toda equipe do filme curta-metragem “Joaquim Pecherada”, o precursor do cinema local. O Festival CineCongo vem a cada ano, contribuindo e impulsionando a produção artística cultural da cidade, além de atrair o turismo e aquecer a economia local.

2014
O CineCongo apresenta um jeito singular de levar à população do Congo e do Cariri Paraibano, o cinema. Seja ele, produzido local, estadual ou nacional. O mais importante é que todos estão tendo acesso gratuito ao produto audiovisual brasileiro. Resultando assim, numa descentralização e democratização desse produto, que muitas vezes é precário nas pequenas cidades interioranas do país. É por isso, que o Festival CineCongo possui seu jeito peculiar de fazer, exibir e difundir o cinema produzido no Brasil. Com seu Cortejo da Arte uma semana antes de ocorrer o Festival, o Mascote Conguinho e sua Princesa CineCongo, a sustentabilidade, culminada durante o festival em seu passeio ecológico pela Serra da Engabelada, com visitação aos sítios arqueológicos, existentes em diversas partes do município. Dessa forma, se constituiu o tema para a sexta edição, “Cinema de Identidade!”.                                                                
                                              
                                                                         2015
O 7º CineCongo continuará com seu jeito singular de levar à comunidade o cinema em praça pública. Com isso, todos estão tendo acesso gratuito ao produto audiovisual brasileiro. Visto que, esse produto ainda é precário nas pequenas cidades interioranas do país. É por isso, que o festival de cinema mantém seu jeito de fazer, exibir e difundir o cinema. Com seu Cortejo da Arte, o Mascote Conguinho e sua Princesa CineCongo, a sustentabilidade, culminada durante o festival em seu passeio ecológico pela Serra da Engabelada, com visitação aos sítios arqueológicos, existentes em diversas partes do município. Além de aquecer a economia local durante a realização do festival. Dessa forma, se constituiu o tema para a sétima edição, “Cinema e Sustentabilidade”.
      
                                                                      2016
O tema a ser abordado na oitava edição do CineCongo "Cinema e Libras na educação inclusiva", visa oportunizar e integrar junto a população local os surdos da Escola Bilingüe do cariri paraibano, gerando assim, intercâmbio, acessibilidade, oportunidade e conhecimento. Por isso, devemos perceber no cinema um instrumento fundamental e necessário para a inclusão e transformação social.


                                                                    2017
O tema abordado em sua nona edição foi Projeto JABRE - Laboratório Paraíbano para Jovens Roteiristas, desta forma, o público presente pode conhecer as produções cinematográficas realizadas dentro do projeto. Foram filmes lindos de diversas cidades do interior paraibano, além de muitos premiados no Brasil e no no exterior. 


                                                                    2018
O tema abordado na décim edição foi "cinema e moda". O festival contou todas as noites com desfiles das lojas da cidade e da região, alem de um desfile organizado pela Moda PAP (Programa de Artesanato da Paraíba). o festival contou também com apresentaçoes culturais de diversos grupos da cidade e da região. Feira de artesantado, passeios turísticos, mostras infantis, escolares e as mostras principais.O homenageado desta edição foi o estilista e diretor de arte, o paraibano, Romero Sousa.


2019




PREMIAÇÃO/ 2019


TROFÉU JÚRI - POPULAR 
Melhor filme por noite (4 premiados)




O TROFÉU RUPESTRE
 

Em sua terceira edição, surge a necessidade de criar um troféu que tenha o designer e a identidade peculiar do povo interiorano, a partir de então, é desenvolvido o “Troféu Rupestre”. O desenho do sol rupestre é encontrado nitidamente na caverna do Alazan Velho, entre os Sítios Santa Rita e Riacho do Algodão, na zona rural do município de Congo/PB.
A região do cariri paraibano e principalmente a cidade de Congo, possui vários sítios arqueológicos espalhados em diversas partes, com inscrições datadas de mais de dois mil anos, sendo alguns sítios cadastrados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – INPHAN.

As pinturas apresentam texturas da tinta aplicada sobre a rocha, fragmentos de transado e ossos humanos e ainda fragmentos de cerâmica na superfície do terreno. O abrigo sob rocha possui 4 tipos de coloração diferentes de pinturas rupestres (amarelo, vermelho, branco e preto), também, a sobreposição de pinturas o que pode indicar que no abrigo habitou mais de uma tradição, podendo uma ter saindo, e com centenas de anos, chegado outra rapidamente apossando-se do local.

Um comentário:

  1. Parabéns pela iniciativa e persistência diária! São atitudes como estas que são responsáveis pelo desenvolvimento cultural da humanidade!! Continuem na luta!! Um grande abraço

    ResponderExcluir